Será que ele(a) vai mudar?

Cláudia Morais // Janeiro 28, 2021
Partilhar
mudar
mudar

Quando gostamos de uma pessoa mas não nos sentimos felizes na relação, agarramo-nos à esperança de que ele(a) mude e possamos voltar a ser felizes. Às vezes damos por nós a repetir os mesmos erros e a ter dúvidas. Será que ele(a) é capaz de mudar? Vale a pena ter essa esperança?

Quando nos sentimos infelizes numa relação é provável que, mais cedo ou mais tarde, façamos um ultimato: «Ou tu mudas, ou a relação acaba». De uma maneira geral, estas palavras são fruto do cansaço, do desespero, da solidão e da mágoa, mas podem facilmente ser encaradas como uma manifestação de falta de amor. Afinal, já todos ouvimos dizer que «Amar é aceitar o outro como ele é» e que «Quem ama não tenta mudar o outro». Estes são clichês que são válidos para a maioria das relações, sobretudo quando falamos de alguns defeitos irritantes, mas inofensivos ou de hábitos de que não gostamos, mas que contribuem para a felicidade da pessoa que amamos.

Quando os comportamentos da pessoa que amamos nos magoam e/ou comprometem o nosso bem-estar e a nossa felicidade, é bom que nos queixemos, que demos voz ao nosso mal-estar e que ofereçamos à outra pessoa a oportunidade de fazer escolhas que nos ajudem a ser felizes. Isso é especialmente importante se se tratar de comportamentos abusivos, como a chantagem emocional, as humilhações, as ameaças ou as explosões. Nesse caso, é mesmo imperativo exigir um compromisso sólido com a mudança, sob pena de a nossa saúde emocional e a nossa autoestima ficarem comprometidas.

Quando a outra pessoa se sente aflita com o risco de a relação terminar e promete mudar, enchemo-nos de esperança num futuro melhor, mas a autenticidade demonstrada num momento de aflição pode dar lugar a uma mão cheia de nada e, então, voltamos a sentir-nos sem chão.

A boa notícia é que as pessoas mudam. A má notícia é que isso dá trabalho. 

Todos nos lembramos de colegas de escola que, no final do ano letivo, se mostravam genuinamente aflitos com a perspetiva de reprovar e que suplicavam aos professores para que lhes dessem nota positiva. Em muitos desses casos, a aflição era acompanhada de um conjunto de promessas que se desvaneciam no ano seguinte. É fácil comprometermo-nos com a mudança, sobretudo quando há algo que valorizamos e que estejamos em risco de perder, mas algumas mudanças simplesmente vão requerer tempo e um grande investimento.

Como é que podemos saber que ele(a) está mesmo disposto(a) a mudar?

Só o tempo nos poderá dar certezas absolutas sobre o grau de compromisso de uma pessoa, mas há alguns sinais a que podemos estar atentos e que podem alimentar a esperança de que ele(a) mude:

. Arrependimento genuíno

Este é o primeiro passo para a mudança. Está longe de ser condição suficiente, mas é uma condição necessária. Se a pessoa de quem gosta estiver genuinamente arrependida, você vai perceber. O rosto dele(a) vai inundar-se de sofrimento e sentimentos de culpa. Esses sentimentos desconfortáveis são a alavanca para a mudança. Se, pelo contrário, a pessoa de quem gosta oscilar entre palavras de arrependimento e outras que, de forma explícita ou implícita, coloquem a responsabilidade do seu lado, é pouco provável que haja compromisso com a mudança. Por exemplo, se a pessoa que ama o(a) traiu e, depois de numa primeira fase se ter mostrado arrependido(a), passar a dizer que você tem de esquecer o assunto e seguir em frente, dificilmente estará genuinamente capaz de empatizar com o seu sofrimento ou de se comprometer com mudanças. Se ele(a) tiver comportamentos abusivos e, perante as suas queixas, for exclamando «Tu és demasiado sensível», é pouco provável que haja mudanças sólidas.

. Há espaço para conversar sobre o que o(a) incomoda

Quando a pessoa está genuinamente empenhada em mudar e fazê-lo(a) feliz, há disponibilidade para conversar sobre os assuntos geradores de mal-estar. Isso não significa que dê pulos de contentamento ou que mostre uma paciência de santo(a). Significa que mostra que quer mesmo saber do que é que você precisa e que está empenhado(a) em investir em ações concretas.

. Investe gradualmente de forma diferente

Não há mudanças sem ação. Se voltarmos à metáfora da escola, você sabe que um aluno não está verdadeiramente comprometido com a mudança se continuar a dizer que estuda «amanhã». Quando queremos mudar, aproveitamos o hoje para fazer o que estiver ao nosso alcance. Se a pessoa que ama tem estado muito ausente, mais centrada no trabalho ou noutras prioridades, mas estiver comprometida com a mudança, é expectável que você observe um esforço genuíno para reservar tempo para a relação e que ele(a) tenha o cuidado de o(a) informar ou de o(a) consultar quando tiver de voltar a ficar a trabalhar até mais tarde. Se não estiver genuinamente comprometido(a), vai provavelmente escudar-se num conjunto de desculpas para repetir as escolhas de sempre.

. Há transparência

Há poucas coisas que nos ofereçam tanta segurança como o facto de alguém fazer aquilo que diz que vai fazer, sem mentiras nem desculpas esfarrapadas. Quando a pessoa que amamos se mostra empenhada em restaurar a nossa confiança e assume uma postura clara e honesta, isso é sempre um bom sinal. Dizer a verdade não é sempre fácil, sobretudo se a confiança tiver sido quebrada – pode dar origem a alguma insegurança ou até a mal-entendidos. Mas, como é fácil de adivinhar, as mentiras provocam danos ainda maiores e são, invariavelmente, um sinal de que o compromisso com a mudança é muito débil.

. Há planos a dois e a sua vontade é considerada

Uma das características de uma relação infeliz é o sentimento de desconsideração. Quando a pessoa que está ao nosso lado está excessivamente centrada em si mesma, acaba invariavelmente por fazer escolhas que nos magoam e que desconsideram a nossa vontade. Não há um verdadeiro compromisso. Pelo contrário, quando a relação é devidamente valorizada e há compromisso com a mudança, observamos que os nossos sentimentos e as nossas necessidades são tidos em conta e passa a ser possível sonhar a dois.

. Ele(a) é capaz de pedir ajuda

Não há dúvida de que um compromisso é muito mais sólido quando é assumido publicamente. Quando uma pessoa decide fazer dieta ou deixar de fumar, sabe que se falar sobre isso com terceiros há uma probabilidade maior de essa mudança lhe ser “cobrada”. Essa pressão é uma alavanca para a mudança. Quando há comportamentos abusivos, uma traição ou outros acontecimentos que abalem a solidez de uma relação, é importante falar abertamente sobre o assunto com alguém que possa ajudar. Se a pessoa que ama está disponível para pedir ajuda profissional, esse é um bom sinal. Claro que, depois, é essencial que se comprometa com essa ajuda. Também é um sinal positivo se ele(a) assumir os próprios erros junto de familiares e amigos. Pelo contrário, querer esconder os problemas pode indicar alguma desvalorização e menor compromisso com a mudança.

Qualquer um de nós é capaz de mudar.

Qualquer um de nós é capaz de mudar, mas, de uma maneira geral, precisamos de sentir-nos suficientemente desconfortáveis para implementarmos mudanças significativas. É natural que queiramos manter-nos na nossa zona de conforto indefinidamente. Se estivermos confortáveis e houver a mínima hipótese de a pessoa de quem gostamos nos aceitar exatamente como somos, não vamos fazer nada para mudar. Se ficar claro que ele(a) só vai manter-se na relação se houver mudanças sólidas, temos duas hipóteses: ou valorizamos mesmo a relação e arregaçamos as mangas com medo de a perder, ou mantemo-nos na nossa zona de conforto à espera que ele(a) ceda.

Temos de dar voz àquilo de que precisamos para sermos felizes.

Qualquer um de nós pode manter-se numa relação que não nos satisfaça. Fazemo-lo quase sempre com a esperança de que, mais cedo ou mais tarde, a outra pessoa se dê conta de que precisa mesmo de mudar. Na prática, somos nós que temos de dar voz àquilo de que precisamos para sermos felizes e isso pode passar por fazer escolhas difíceis, como afastarmo-nos de alguém que amamos, mas que não é capaz de mudar.

Ler mais

Social Media

Copyright © 2023 Simply Flow. Todos os direitos reservados.

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Aceitar Saber mais