O poder da natureza

Fátima Lopes // Julho 2, 2019
Partilhar

O mês de Julho aqui no Simply Flow é dedicado ao tema Natureza. Não que seja só neste mês que lhe damos atenção, mas, sim, porque vamos dar-lhe especial atenção.

Há muito que se fala da urgência e importância de cuidar e respeitar a natureza, mas ainda temos muito para fazer de forma a alterar a realidade.

Respeitar e valorizar a natureza

Nas escolas as nossas crianças estão a ser educadas para respeitar e valorizar a natureza. Algumas das boas práticas fazem parte dos programas escolares e, isso, já é uma esperança na mudança da relação que temos com a natureza. Mas, nem todos os pais em particular, e os adultos em geral, estão sensibilizados para a urgência de respeitar a natureza nas suas várias áreas e, por isso, o conhecimento que é ensinado nas escolas, sem prática e consistência, pode simplesmente perder-se. Esse é um perigo que temos de anular. 

Basta fazer um piquenique, passear na praia ou visitar as margens de um rio, por exemplo, para perceber que há ainda muita gente que acha que a maior parte das preocupações ambientais não fazem sentido, porque a natureza é mais ou menos “eterna”. Infelizmente não é. Estes maus comportamentos vêm de muitas pessoas a título individual, mas também de muitas empresas. 

Eu sou uma optimista incorrigível e, por isso, prefiro centrar-me no caminho já feito e não no que ainda falta fazer, porque é tanto que podíamos perder o ânimo e deitar a toalha ao chão. 

A natureza não merece que desistamos dela.

Vivemos porque ela nos permite. Recuperamos muitas vezes a nossa saúde física, psicológica e emocional porque passamos mais tempo junto dela. Generosamente acolhe-nos, cuida-nos, dá-nos força, alento e energia. Se a natureza é capaz de tudo isto por nós, chegou o momento de a tratarmos como ela merece. Para o bem de todos. 

Nota: Fotografia por Verónica Silva.

Social Media

Copyright © 2023 Simply Flow. Todos os direitos reservados.

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Aceitar Saber mais