Como poupar a carteira e o ambiente na casa de banho

Equipa Planetiers // Agosto 22, 2018
Partilhar

Talvez pela necessidade e naturalidade cultural de usarmos a casa de banho, esta é uma das divisões da casa onde mais gastamos e poluímos, muitas vezes sem darmos por isso. Seja em banhos, autoclismo, cosméticos ou produtos de higiene, muitas vezes os gastos parecem-nos necessários e não temos noção da quantidade de dinheiro que conseguimos poupar com pequenas mudanças.

As dicas “de sempre” funcionam:

  • duches em vez de banhos de imersão (podes poupar até 230 litros de água por banho);
  • fechar a torneira enquanto lavas os dentes (poupando até 30 litros);
  • puxar o autoclismo apenas quando necessário (cada descarga representa 15 litros de água que são desperdiçados).

Contudo, a poupança vai muito para além destas dicas “clássicas”. Por exemplo, o teu chuveiro tem redutor de caudal? Apesar de já ser comum nas casas mais modernas, ainda não é um equipamento totalmente disseminado.

Como poupar a carteira e o ambiente na casa de banho: 

. Redutor de caudal

O objetivo do redutor de caudal é “estrangular” o escoamento na saída da torneira através da imersão de ar, desta forma reduz o caudal em 50% e aumenta a pressão à saída da torneira – a mesma sensação de limpeza com metade de água gasta.

Outro grande problema dos banhos é a água que se gasta durante o aquecimento – aqueles primeiros segundos antes da água chegar quente à torneira. O tempo de aquecimento das águas de duche, em casas minimamente otimizadas, pode demorar entre 10 e 40 segundos por banho. Dependendo da distância entre o esquentador (ou aquecimento solar) e a torneira da banheira, a qualidade dos teus equipamentos e a temperatura exterior, estes segundos representam um desperdício de cerca de 9 litros de água por banho – tomando um banho todos os dias, são 270 litros de água perfeitamente potável que se desperdiçam por mês (apenas para uma pessoa).

A dica mais básica que vos damos é terem junto à banheira um recipiente onde possam coletar esta água, que depois podem utilizar na sanita, limpezas ou na rega das plantas do jardim, entre outros tantos usos.

Contudo, mais do que o custo desnecessário que estes litros de água representam, é também um desperdício de recursos gigante, exigindo mais do nosso planeta e contribuindo para um futuro mais débil para todos.

. Eu já poupo água. Posso fazer mais alguma coisa?  

Não é só na água que os nossos usos da casa de banho prejudicam o ambiente. A maior parte dos nossos shampoos e sabonetes líquidos contêm microplásticos na sua composição, chegam a nossa casa extra embalados e apresentam vários ingredientes artificiais com implicações diretas na nossa saúde. Estes microplásticos são plásticos de pequena dimensão (micrómetros) que dificilmente são detetados e removidos nas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR’s).

Ao utilizarmos produtos de higiene com estes compostos, estamos a contribuir para que pequenos pedaços de plástico desaguem no mar, que são confundidos por comida e ingeridos pelas espécies marinhas, desde o zooplâncton ao bacalhau que chega ao nosso prato.

. Shampoo sólido

Para os mais flexíveis, voltar ao clássico sabão azul e branco resolveria o problema. Contudo, e porque ser sustentável não implica mudarmos radicalmente os nossos hábitos, podes manter um estilo de vida moderno com produtos de higiene aromáticos, eficazes e bem mais benéficos, tanto para a tua saúde como ambiente. Exemplos destes são, por exemplo, um sabonete sólido natural ou este shampoo sólido sem químicos, considerado pela NiT como um dos melhores “shampoos sólidos para um cabelo espetacular sem desperdiçar plástico”.

Podes ainda optar por um shampoo sólido biológico Aromas do Valado, feito à base de azeite e óleo de abacate.

. Ambientadores naturais 

Fica aqui seguinte dica: as sobras do sabão ou shampoo sólido não são resíduos. Reserva-os, seca-os, coloca-os num pequeno frasco e aproveita-os para aromatizar a casa – estes são os ambientadores mais acessíveis e naturais que alguma vez irás encontrar.

Caso ainda não tenhas sobras, mas gostasses de experimentar uma solução estética e homogénea, “pronta a ambientar”, podes sempre recorrer a estas rebarbas naturais de sabonete Casa Brava.

. Escovas de dentes biodegradáveis

Para além da lavagem de mãos e corpo, também podes ter um menor impacto ambiental com a tua lavagem de dentes. As escovas de plástico comuns, ao serem compostas por diferentes materiais (plástico, nylon, metal, entre outros) não podem ser recicladas no ecoponto amarelo. Optar por uma escova de bambu biodegradável feita à base de plantas é uma ótima forma de tornar as tuas rotinas de higiene mais saudáveis e amigas do ambiente.

. Cotonetes 

Apesar da comunidade médica desaconselhar o uso de cotonetes para limpeza dos ouvidos, estes podem ter muitas mais utilidades que, para quem já se afeiçoou a este objeto peculiar, podem ser difíceis de completar com alternativas diferentes. Se és uma destas pessoas e não consegues abdicar dos teus cotonetes, torna este hábito mais ecológico optando por uns cotonetes de bambu e algodão natural [Dica Planetiers: na compra de duas caixas de cotonetes e uma escova de bambu, os portes são gratuitos.]

Os cotonetes são um dos tipos de lixo mais encontrados nas praias das costas portuguesas. Ao optar por esta alternativa estás a contribuir para mares mais limpos e solos menos tóxicos.

Vamos lá poupar? 

Seja na carteira, saúde ou ambiente, poupar não é tão complicado como parece. Se olharmos para os nossos recursos com um olhar consciente e responsável, vemos que a mudança é fácil de acontecer.

As palavras de ordem são recusar o que não precisamos, reduzir o que conseguirmos e repensar as formas como usamos os nossos recursos, tão escassos quanto necessários.

Estas dicas foram úteis? Acrescentariam alguma? Partilhem no facebook Simply Flow o que têm feito para tornar as vossas casas de banho mais sustentáveis e amigas do ambiente !

Social Media

Copyright © 2023 Simply Flow. Todos os direitos reservados.

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Aceitar Saber mais