As férias dos filhos de pais separados

Cláudia Morais // Julho 22, 2019
Partilhar

As tão desejadas férias de verão podem implicar algum stress para as famílias, especialmente depois de um divórcio ou de uma separação. Às dificuldades habituais relacionadas com a escassez de recursos para manter as crianças ocupadas e protegidas enquanto os pais trabalham junta-se a necessidade de conjugar expectativas e de comunicar de forma eficaz. Hoje partilho algumas dicas que podem ajudar a viver esta época sem stress.

Férias curtas ou prolongadas?

A maior parte de nós ambiciona poder parar pelo menos duas ou três semanas e, assim, repor energias para mais uma jornada profissional. Além disso, depois do divórcio, e independentemente do formato da guarda escolhido, todos os pais e mães têm de conviver com a inevitabilidade de não terem os seus filhos sempre por perto. A ideia de umas férias prolongadas permite sonhar com a possibilidade de estar mais tempo com os filhos e, assim, recarregar o mealheiro de afetos. Mas, como em tudo o que diga respeito às decisões após o divórcio, o mais importante é que cada adulto consiga focar-se naquilo que é o melhor para os filhos. De uma maneira geral, um longo período de férias com os filhos implica que eles estejam demasiado tempo sem poder estar com o outro progenitor e isso pode trazer a sensação de desamparo ou abandono, especialmente se se tratar de crianças pequenas. Aos pais e mães compete colocar a questão “O que é melhor para os meus filhos?” com abertura e curiosidade.

Gerir as expectativas

Todos criamos expectativas em relação às férias. É natural, é humano. Independentemente do nosso contexto, sonhamos com a possibilidade de descansar e, ao mesmo tempo, concretizar todos os planos que, de um modo geral, vamos adiando por falta de tempo no resto do ano. Além disso, idealizamos um período de paz e harmonia, sem stress ou discussões. Mas, as férias também são uma porta para tudo o que ficou “desarrumado” e acumulado ao longo do ano. Talvez seja por isso que há tantas separações depois das férias. É que naquelas semanas não estamos mergulhados em trabalho, não temos como não prestar atenção à nossa realidade.

No ramerrame do resto do ano nem sempre há tempo para reparar nas necessidades que ficam por preencher, especialmente nos filhos de pais separados. A paragem das férias pode obrigar a um confronto difícil, mas necessário. Se os planos para as férias incluírem a genuína intenção de aproveitar para conhecer ainda melhor as necessidades dos filhos, é mais provável que possam ser refeitos de maneira a contribuir para o bem-estar de todos.

Negociar com o outro progenitor

Independentemente da forma como a relação acaba, é natural que haja a necessidade de gerir a própria vida sem dar satisfações à pessoa com quem deixou de viver. Mas, quando há filhos, essa pode não ser uma boa ideia. Se um dos progenitores decidir marcar férias para um determinado período sem avisar o outro, pode estragar-lhe os planos e trazer stress desnecessário. É possível que ambos estejam habituados a tirar férias na mesma altura e é humano que mantenham o desejo de dar continuidade a essa tradição. No meio de tantas perdas, este pode ser um aspeto difícil de abdicar. Mas, de novo, o mais importante tem de ser o bem-estar dos filhos. E, aquilo de que os filhos precisam é de ver os dois progenitores felizes.

Se os pais optarem por sentar-se para conversar e negociar com antecedência, é mais provável que alcancem consensos importantes. Por exemplo, se ambos gostam da ideia de ter férias num determinado período, talvez possam concordar em alternar anualmente. Assim, todos ganham, ainda que ambos tenham de ceder.

Outra questão importante a ter em conta está relacionada com a proximidade dos dois períodos de férias. Talvez não seja boa ideia marcar férias “em cima” do período escolhido pelo outro progenitor. Assim, se houver atrasos ou imprevistos, há tempo e disponibilidade para gerir os acontecimentos sem atrapalhar os planos do outro lado da família.

Presença de novos companheiros

As férias também são muitas vezes aproveitadas para introduzir, de forma mais oficial, um(a) novo(a) companheiro(a) na vida dos filhos. A ideia de muitos pais e mães é aproveitar este período de menos stress e de maior convívio para criar laços. Mas, isso pode implicar obrigar os filhos a passar demasiado tempo com alguém com quem ainda não construíram um laço afetivo. De uma maneira geral, as crianças e adolescentes precisam de tempo para se habituarem à ideia de o pai ou a mãe ter um(a) novo(a) namorado(a), pelo que é preferível deixar as férias românticas para o período em que os filhos estiverem com o outro progenitor. Além disso, os filhos ambicionam passar tempo de qualidade com os pais, ambicionam receber a sua atenção exclusiva e tenderão a sentir-se frustrados se tiverem de partilhar este período com outra pessoa a quem o pai/a mãe terá de prestar muita atenção.

E, se os filhos não quiserem ir?

Alguns pais e mães são confrontados com o facto de os filhos recusarem ir de férias com o outro progenitor e interrogam-se sobre a melhor alternativa. Devem obrigá-los a ir? Ou será preferível ceder? Não há uma resposta que sirva para todos os casos. De novo, aquilo que importa é olhar para a questão com abertura e curiosidade. Se aquilo que está em causa é, sobretudo, uma questão de disparidade em relação às condições que cada um dos progenitores tem para oferecer, é melhor incentivar a criança a ir e, assim, fazer o que estiver ao seu alcance para promover o vínculo com o outro progenitor. Na prática, nenhum pai ou mãe cede a todas as vontades dos filhos. Sabemos que as crianças têm de comer frutas e vegetais porque é o melhor para elas, mas não estamos à espera de que gostem.

Se houver a suspeita de que a criança não se sente segura quando está com o outro progenitor, é importante que o pai e a mãe possam tentar conversar para identificar os medos e as alternativas que melhor se adequem à realidade. Às vezes é preferível abdicar de um período de férias convencional e apostar em períodos mais pequenos que permitam que a criança se sinta respeitada e segura.

Oportunidade para fazer o que quer 

A ideia de passar (ainda mais) tempo sem os filhos pode ser muito angustiante. As saudades são inevitáveis, mas podem ser geridas de forma emocionalmente inteligente. Em primeiro lugar, esta é a oportunidade de reconhecer quão bom/boa pai/ mãe está a ser. Ao facilitar, sem levantar ondas, o contacto dos seus filhos com o outro progenitor, está a tomar uma decisão que garanta o bem-estar dos filhos e, daqui a vinte anos, orgulhar-se-á de o ter feito. Por outro lado, esta também é a oportunidade de colocar em marcha todas as atividades e projetos que foi adiando por falta de tempo para si. Faça aquele workshop com que anda a sonhar, passe um dia inteiro a ver as suas séries preferidas sem culpas ou aproveite para sair à noite. Quanto mais investir na sua lista de desejos, mais revigorado(a) se vai sentir quando voltar a ter os seus filhos consigo.

Ler mais

Social Media

Copyright © 2023 Simply Flow. Todos os direitos reservados.

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Aceitar Saber mais